Hero image
MSD & Laura

Inteligência artificial para gerenciar o uso de antibióticos

Nunca se discutiu tanto a necessidade de olhar para a saúde de forma coletiva, ágil e assertiva como durante a pandemia de Covid-19. Com seres microscópicos se tornando os verdadeiros vilões da população mundial, um diagnóstico tardio ou tratamento errôneo pode gerar um grande colapso na saúde pública.  

Um bom exemplo disso tem sido o alerta constante sobre a resistência microbiana a medicamentos. De acordo com estudos da Organização das Nações Unidas (ONU), estima-se que mais de 700 mil pessoas morram todos os anos por conta dessa resistência. Até 2050 os números devem chegar à alarmante à marca de 10 milhões de óbitos. Dentre os motivos principais: o uso incorreto – ou até mesmo exagerado – de antibióticos.  

 

Dando um passo além e buscando mitigar esses riscos, a MSD uniu-se à Laura, healthtech que utiliza inteligência artificial (IA) para democratização do acesso à saúde. A parceria está permitindo o desenvolvimento de uma ferramenta para otimizar as tomadas de decisão dos profissionais de saúde.

O Laura Stewardship Powerd by MSD é voltado para médicos prescritores e estabelece um melhor gerenciamento dos medicamentos por meio da IA e machine learning.

“Estamos dando um novo passo em direção aos cuidados com a saúde pública. A resistência microbiana, infelizmente, já é uma realidade, que traz danos colaterais tanto para a saúde quanto para o desenvolvimento econômico da sociedade. Diante de dados tão preocupantes, junto ao fato de que o desenvolvimento de um antibiótico leva anos, usar a tecnologia como aliada das equipes médicas é de suma importância para trazer mais assertividade e rapidez na rotina médica”, afirma Hugo Morales, médico infectologista, diretor médico e cofundador da startup.

Nossa expectativa é que com o Laura Stewardship Powerd by MSD, os hospitais aumentem suas taxas de produtividade e acertos em tratamentos terapêuticos. 

“Com as equipes dos hospitais operando, ainda, sem o suporte adequado da tecnologia, a gestão de dados importantes relacionados à Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) torna-se defasada e as ações necessárias não são realizadas em tempo real. Existem muitos desafios na implementação de programas de Gerenciamento de Antimicrobianos, uma vez que exigem mobilização e cooperação de todos os membros do time multidisciplinar envolvido no cuidado ao paciente, além da educação e adesão aos protocolos e fluxos estabelecidos. Com o processo ainda muito manual e trabalhoso, há maior dificuldade da CCIH em garantir que todas as etapas sejam cumpridas à risca, o que prejudica não só o paciente, mas toda a cadeia de saúde”

Dra. Marina Della Negra,
infectologista e diretora médica da MSD para vacinas, doenças infecciosas e cuidados primários no Brasil.

Sobre a Laura 

Eleita em 2020 como uma das 100 Startups to Watch, ranking que reconhece as jovens empresas mais promissoras do Brasil, a startup Laura oferece soluções de inteligência artificial com o objetivo de democratizar a saúde por meio da tecnologia e gerar impacto social positivo em escala, acompanhando toda jornada do paciente. Por meio de inteligência artificial e tecnologia cognitiva, a ferramenta permite a priorização de atendimento em instituições de saúde, assim como o gerenciamento de dados da rotina hospitalar, emitindo alertas para a equipe assistencial.

Destaques da tecnologia da Laura

11 mi

atendimentos analisados (2016-2021)

25%

de redução na taxa de mortalidade hospitalar

24 mil

vidas salvas com a ajuda da tecnologia